6-estrategias-nutricionais

6 estratégias nutricionais para favorecer a saúde digestiva

Nós somos o que comemos? Na verdade, esta frase, e os conhecimentos atuais, demonstra que nós somos o que comemos, metabolizamos e absorvemos! Nesse contexto, de acordo com uma visão integrativa, a saúde digestiva é fundamental para a homeostase do organismo, já que impacta diretamente na digestão, absorção e ação dos nutrientes, algo que deve ser evidenciado no Dia Internacional da Saúde Digestiva, 29 de maio.

O estilo de vida atual, com o estresse, consumo excessivo de carboidratos refinados, gorduras saturadas e produtos ultraprocessados, implica em alterações no sistema digestivo, assim, prejudicando a produção adequada de ácido clorídrico, promovendo a disbiose e a permeabilidade intestinal, alterando a detoxificação, entre outros problemas que prejudicam a saúde do seu paciente.

Para otimizar a função gastrointestinal, o chamado programa dos 4 Rs é de suma importância, ele aborda o que deve ser removido, recolocado, reinoculado e acrescentado para reparar e recuperar a mucosa gastrointestinal, assim, visando ao processo digestivo efetivo. Ciente da importância desse assunto, o time de especialistas da B.Health separou as principais estratégias que você deve incluir na sua conduta clínica, com base no programa dos 4 Rs, de forma a promover a vitalidade positiva do seu paciente.

1. Remover xenobióticos (4 Rs – Remover): reduzir o consumo de alimentos com agrotóxicos, de produtos industrializados com grande quantidade de aditivos alimentares, eliminar recipientes plásticos, orientar a ingestão de peixes menos contaminados por metais pesados, informar sobre alimentos contaminados com aflotoxinas e outras toxinas fúngicas são alguns dos pontos importantes que devem ser trabalhados no consultório, com o seu paciente, de forma a reduzir a permeabilidade intestinal. Ainda, é de suma importância estimular a eliminação dessas toxinas através do ajuste do consumo hídrico e favorecendo o processo de detoxificação, consumindo alimentos e nutrientes que estimulem as fases desse processo. Uma dica é incluir na sua prescrição Balance Juice da B.Health.

2. Estimular o consumo de frutas e chás digestivos (4 Rs – Recolocar): abacaxi e mamão são frutas que contêm bromelina e papaína (respectivamente), que têm papel de enzimas digestivas, auxiliando na digestão e, por isso, é uma excelente estratégia incluí-las após o almoço e o jantar. Além disso, é interessante a prescrição de chás que favorecem o processo digestivo, promovendo a melhora da motilidade e da secreção gástrica e ainda auxiliam na redução de sintomas como gases, dores abdominais e distensão abdominal, como infusões de camomila, erva-doce, alecrim e hortelã. Uma dica é incluí-los cerca de 15 minutos antes ou 30 minutos depois das refeições.

3. Prescrever gengibre e cúrcuma (4 Rs – Recolocar/Reparar): o gengibre atua como um importante agente dietético que possui efeito carminativo, diminui a pressão no esfíncter esofágico inferior, reduz as cólicas intestinais e previne dispepsia, flatulência e distensão abdominal, sendo um grande aliado da digestão (NIKKHAH BODAGH, MALEKI, HEKMATDOOST, 2020). A curcumina é o principal fitoativo presente na cúrcuma, que mostra efeito gastroprotetor. A curcumina pode contribuir para a secreção de mucina, que faz parte da composição do muco protetor do estômago (RAHMANI et al., 2019). Apesar de poderem ser consumidas na forma in natura, o efeito terapêutico destas especiarias apresentado nos estudos ocorre a partir da suplementação em cápsulas, como Golden Health, suplemento da B.Health que combina ambas as especiarias.

4. Prescrever fibras prebióticas (4 Rs – Reinocular): incluir fibras prebióticas na sua conduta é sinônimo de favorecer a proliferação de bactérias benéficas no intestino, antagonizando o crescimento de micro-organismos patogênicos, além de promover redução da permeabilidade intestinal. É interessante prescrever um mix de fibras, assim como FiberFit da B.Health

5. Incluir bebidas fermentadas (4 Rs – Reinocular): kefir e kombucha são bebidas que contêm naturalmente bactérias com efeito probiótico, além de ácido orgânicos, enzimas e vitaminas, que são aliadas do equilíbrio da microbiota intestinal. O kefir pode ser associado a frutas e alimentos fontes de fibras solúveis, como farelo de aveia; e a kombucha, utilizada para o preparo de sucos.

6. Cuidar do reparo da mucosa gastrointestinal (4 Rs – Reparar): para restaurar a saúde das células intestinais, reduzir a permeabilidade intestinal, modular a inflamação e microbiota intestinal, é importante incluir a suplementação com glutamina e ômega-3, além de estimular o consumo de alimentos fontes de vitamina A, zinco e polifenóis.

REFERÊNCIAS

PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, da A. B. L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. São Paulo: Valéria Paschoal Editora Ltda, 2014. SOUZA, M.L.R.; BAPTISTELLA, A.B.; PASCHOAL, V. Nutrição Funcional: Nutrientes aplicados à Prática Clínica. São Paulo: Valéria Paschoal, 2018. JUNG, Y. et al. Effect of Kombucha on gut-microbiota in mouse having non-alcoholic fatty liver disease. Food Sci Biotechnol., v. 28, n. 1, p. 261-267, 2019. BRASIL. Associação Brasileira de Kombucha – ABKOM. MAHENDRAN, G.; RAHMAN, L-U. Ethnomedicinal, phytochemical and pharmacological updates on Peppermint (Mentha × piperita L.)-A review. Phytotherapy Researchn, 2020. MALONGANE, F.; MCGAW, L. J.; MUDAU, F.N. The synergistic potential of various teas, herbs and therapeutic drugs in health improvement: a review. Journal of The Science of Food and Agriculture, v. 97, n. 14, p. 4679-4689, 2017. SHAKERI, A.; AMIRHOSSEIN SAHEBKAR, A.; JAVADI, B. Melissa officinalis L. – A review of its traditional uses, phytochemistry and pharmacology. Journal of Ethnopharmacolology, v. 188, p. 204-228, 2016. SAAD, G. A. et al. Fitoterapia Contemporânea: Técnica e Ciência na prática Clínica. 2. ed. São Paulo: Editora Guanabara Koogan LTDA., 2016. SINGH RK, et al. Influence of diet on the gut microbiome and implications for human health. J Transl Med. v. 15, n. 1, p. 73, 2017 NIKKHAH BODAGH M, MALEKI I, HEKMATDOOST A. Ginger in gastrointestinal disorders: A systematic review of clinical trials. Food Sci Nutr. v. 7, n. 1, p. 96-108, 5 nov., 2018 HODGES, R. E., MINICH, D. M. Modulation of Metabolic Detoxification Pathways Using Foods and Food-Derived Components: A Scientific Review With Clinical Application. Journal of Nutrition and Metabolism,760689, 2015.

Compartilhe agora

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email